A New York da Alexandra Aranovich.

Pro JFK você voou. E de lá pro hotel, como é que você vai: taxi, limo, shuttle ou metrô?
Já peguei Táxi e Shuttle. O Shuttle é sempre uma opção mais econômica, funciona bem e é possível agendar pela internet .

OK, você chegou ao hotel, desfez as malas, e já está na rua: qual é a primeira coisa que você faz?
Primeiro,  respiro fundo e penso: “Nossa, estou em NY!” Fico ansiosa, tonta e tento me acalmar.  Procuro um bom café, sento com a minha listinha de anotações que planejei antes de partir. Depois, olho os mapas, as anotações e começo a traçar o meu roteiro por bairros/zonas.

Deu fome. Você entra em qualquer lugar ou tem um ou mais restaurantes favoritos?
Eu raramente entro em qualquer lugar (apesar de adorar ser surpreendida com um lugar gostoso que não estava na minha lista). Eu tenho os meus restaurantes e cafés favoritos (inclusive supermercados), mas procuro conhecer primeiro os lugares que ainda não fui. Gente, tem muito, muito restaurante bom em NY.

Além do roteiro de compras, de que outras maneiras você vive a cidade? Broadway, museus, passeios, cinemas?

Nas minhas primeiras visitas à NY eu fiz o lado turístico (prédios, parques, museus, etc) e os espetáculos da Broadway. Nas duas últimas viagens, eu comecei a “viver” o lado gastronômico. Adoro experimentar restaurantes, lanches, supermercados e cafés.

Qual é a área da cidade que você mais gosta e por quê?
Eu acho que cada área tem o seu charme particular. Já gostei muito do Soho, mas acho que hoje o bairro perdeu um pouco aquela “alma” jovem e moderna. Atualmente, o Brooklyn é o novo Soho.  Gosto das áreas com ruas pequenas,  prédios menores, algo mais intimista como o Village. E sempre adoro a área ao redor do Central Park, tanto no lado de Upper West Side quanto no de Upper East Side.

Outlet é out ou ainda é in? Qual?
Para mim o Outlet é sempre out em NY. A cidade é muito linda e tem diversas atrações. Em cada esquina tem uma lojinha interessante (e as grandes redes estão por tudo). Então, por que perder tempo dentro de um Outlet? Tudo bem, você vai economizar uns bons  dólares, só que vai perder muita coisa que acontece a todo o instante em Manhattan. Nessa equação, prefiro voltar com as malas cheias de  histórias, fotos e dicas ao invés de Ralph Lauren, Michael Kors, Abercrombie , Best Buy, Pottery Barn e assim vai.  Mas, confesso : no voo de volta bate aquele arrependimento de não ter comprado mais!

Que conselho você daria para um brasileiro que ainda não conhece New York (se é que existe algum!).
O melhor conselho é ler e pesquisar na internet antes de ir. Conversar com os amigos que já foram ( de preferência amigos com gostos parecidos com os seus). Feito isso, selecione os locais que você mais deseja visitar e planeje a sua visita por áreas (Soho – Brooklyn, Village, Meatpacking, Central Park, etc)  incluindo sempre dicas de restaurantes e cafés em cada uma delas. Ah, ao aterrissar compre uma revista Time Out da semana e olhe as programações. Tem umas brasileiras que moram em NY que lançaram uns mini guias em pdf, também é uma boa consultar.

Ao voltar pra casa, o que você sente que está levando de NY? Além do excesso de peso, é claro.
Sinto que levo uma bagagem de idéias e novidades. NY tem informação, conteúdo e um apelo visual fantástico (na rua, nas livrarias, nas lojas, em tudo).  Porém, nas últimas viagens tenho levado também grandes experiências gastronômicas. Viajar para NY é comer tão bem que sempre dá vontade de voltar e tentar não repetir o prato.

Compartilhar com:
Comentários
  • Hello….
    Adoro NY, já fomos para lá poucas vezes 🙁 e estamos planejando a nossa próxima ida, que será mega especial pois estaremos indo com a nossa filhota de 1 ano e 4 meses ( atualmente) que foi ‘feita’ em NY.. hehe
    Certamente será uma experiência muito diferente de todas as outras vezes….E para ser sincera….we’re totally looking forward to it..

    adorei as dicas e as verei com mais calma em outro momento…

    Marcia
    RS

    1 de março, 2011
    • Obrigada pela visita! Com certeza a visita com a filhota será incrível, há inúmeras atividades para ela na cidade.
      Volte sempre para abrir o bico!! 😉

      2 de março, 2011
  • Oi Marcie

    Nossa, eu nem tinha visto que tu tinha postado minhas dicas. Acho que me passei na viagem pra Orlando (fiquei out da internet por uns tempos) Obrigada. Vou twitar hj mesmo.
    bjcs
    Alexandra
    http://www.cafeviagem.blogspot.com
    http://www.destemperadinhos.com

    2 de março, 2011
    • Super obrigada pela participação! bjks

      2 de março, 2011
  • Marcie, muito legal o seu blog. Eu já o conhecia há algum tempo e o tinha em meu favoritos, só que por pura ignorância minha, não sabia que a Marcie que postava coments no blog do Ricardo era você.
    Agora, com relação a esse post, desculpe fazer uma colocação, entenda que não é uma crítica a você e não que eu esteja duvidando o que a entrevistada falou no seu blog, mas gostaria de questionar o seguinte fenômeno que tem me incomodado: por que a maioria das pessoas ricas ou famosas renega os outlets?
    Será que é “in” gastar dinheiro e “out” economizar”?
    Engraçado, isso também está ocorrendo com alguns amigos aqui no Brasil que tem vergonha de falar que vão aos outlets nos EUA, como se isso fosse um crime.
    Parece que isso afeta o símbolo de status deles. De repente, quem vai a outlets são só os pobres.
    Curiosamente, um dos amigos que falam que não vai, até há alguns anos era um ‘rato’ de outlet e chegou a ir comigo num deles na Virgínia numa viagem que fizemos pelos Estados Unidos. Ele conhecia do assunto muito mais do que eu…rs
    Hoje, se faz de desentendido. Tenho certeza que ainda ele vai, mas, claro, nega para todo mundo.
    Por outro lado, tenho amigos que realmente sei que não vão aos outlets, porque são pessoas que não gostam de compras e viajam para NY apenas para atividades culturais. Mas esses são muito poucos e NY nem sempre é o destino preferido deles para esse tipo de viagem.
    A verdade, para mim, é que a grande maioria que viaja para NY é sim para fazer compras. Sem dúvida, que da para conciliar passeios com compras e NY permite isso.
    Um grande abraço e parabéns pelo seu blog.

    17 de março, 2011
    • Que bom que haja tantas opiniões e gostos diferentes, não é, Alberto? Tem alternativas para todos, em New York. 😉

      23 de março, 2011
  • Concordo com você que existem muitas alternativas em NY.
    A minha crítica é o modismo que move algumas pessoas.
    Agora parece que é “out” entre um certo grupo falar que se vai aos Outlets.
    Que fique claro que não sou a favor e nem contra Outlets, eu mesmo, se tenho tempo numa viagem, vou, mas não faço minhas viagens exclusivamente com essa finalidade.
    Só acho que existe um discurso muito diferente da prática…

    24 de março, 2011
  • Oi, Marcie,
    Se v me der licença, queria me meter nessa conversa.
    É verdade, sim, que muita, mas muita gente mesmo, viaja prá fazer compras. Todo mundo conhece uma penca assim. No fim do ano cheguei a ler troca de comentários sobre onde se deve ir prá comprar mais: NY ou Miami!
    Parece que o Alberto não atentou para o fato de que tem também uma galera que prefere outros programas, que não traz o carrinho cheio de malas, traz fotos, anotações, impressões e tem o maior gosto em compartilhar o que fez, o que viu, o que comeu. E não tem nenhuma relação com in ou out ou rico ou pobre ou dizer o que não fez ou fazer o que não disse. É só outro estilo, como v disse, opiniões e gostos diferentes.
    Se o discurso tá diferente da prática? Vai saber…Deve ter disso também!
    Um beijo

    24 de março, 2011

Deixe um Comentário