A New York da Priscila Fighera.

Pro JFK você voou. E de lá pro hotel, como é que você vai: taxi, limo, shuttle ou metrô?
Nas duas vezes que fui pra NY peguei táxi, por pura preguiça de ficar carregando mala em metrô ou esperando shuttle, ainda mais depois de um vôo desconfortável. Já faz parte do meu budget de viagem o táxi de ida e principalmente o de volta. Só não uso táxi em aeroporto quando realmente é muito caro.
Nessa última vez eu deixei um táxi programado no desembarque, mas acabei perdendo pois eu e o Vini ficamos “só” três horas na fila da imigração. Então não recomendo que programem táxi, pode ser bem complicado prever que horas você vai se liberar. Além disso, não tive dificuldade para conseguir táxi no JFK em nenhuma das duas viagens.

OK, você chegou ao hotel, desfez as malas, e já está na rua: qual é a primeira coisa que você faz?
Normalmente o meu primeiro dia de viagem – para qualquer lugar – é bem livre, sem muitas programações. Faço passeios aleatórios, me perco pelas ruas da cidade, entro no restaurante que eu mais simpatizar.

Mas na primeira viagem para NY cheguei num dia de chuva torrencial, tanto que minha primeira compra foi um guarda-chuva. Por sorte só precisei naquele dia mesmo. Já que o dia estava “perdido”, fui fazer algumas compras que estavam programadas no meu roteiro – direto pra BH e Apple. Foi ótimo, porque “tiquei” itens da minha lista (e algumas dessas coisas eu iria aproveitar na viagem, como as lentes novas para a câmera fotográfica) e no final das compras a chuva já tinha ido embora. Mas ao mesmo tempo foi péssimo, porque em apenas um dia de viagem eu já estava me sentindo falida! Recomendo forte preparo psicológico se você pretende desembolsar logo no primeiro dia de viagem. 🙂
Na segunda viagem, ficamos passeando livremente pelo Soho, onde nos hospedamos.

Deu fome. Você entra em qualquer lugar ou tem um ou mais restaurantes favoritos?
A cidade é tão conhecida por seus restaurantes maravilhosos que eu acabo fazendo uma pesquisa prévia ainda aqui no Brasil. Comprei o Zagat que é excelente guia, além disso acompanho as críticas do The New Yorker e a Time Out. Alguns restaurantes eu deixo reservado no Open Table e os outros vou decidindo conforme minha localização.
Um dos meus preferidos é o The Little Owl, super pequeninho e aconchegante. Entrei ao acaso e foi uma ótimo surpresa, pois como é exatamente no prédio do Friends eu não dava nada por ele, achava que era pega-turista. Mas estava morrendo de fome e arrisquei. Valeu tão a pena que voltei na minha segunda viagem.
Gostei muito do Fig & Olive (Meatpacking). Tem uma mini-degustação de azeites e se você gostar muito, pode comprar uma garrafa e levar para casa. E o restaurante é lindo e super badalado.
O Robert eu amei mais pela vista do que pela comida em si, mas é uma vista “wow”, no alto do Columbus Circle e Central Park.
Também amei o Eataly, pela proposta de ser um lugar simples, com muita variedade, onde o único objetivo é comer bem. Apesar de muito cheio conseguimos uma mesa rápido.
O Vini ficou fã do Tiramisú do Brio, devidamente apresentado a nós pela Marcie.
Para brunch, meu preferido é o Isabella’s, pertinho do Museu de História Natural, onde recomendo muito que peçam a french toast com banana caramelizada.
O Vandaag no East Village é um restaurante de comida holandesa, novo e com decoração clean super bonita, cheio de pessoas bonitas e interessantes.
E hamburguer, para mim nenhum é melhor do que o Shake Shack. Delicioso! O Vini se pudesse comia um todos os dias.
Fomos em muitos restaurantes em NY, vou parar por aqui!

Além do roteiro de compras, de que outras maneiras você vive a cidade? Broadway, museus, passeios, cinemas?
Minhas viagens nunca são voltadas para compras, claro que sempre compro uma coisa ou outra, mas nunca na vida havia precisado comprar malas extras. Já nos EUA… ai, ai! Acho impossível não ir com uma listinha de desejos. Fora isso, é caminhar, caminhar, caminhar e descobrir um ou outro lugar interessante (pois NY é cheia de surpresas), visitar um ponto turístico que não foi visto ainda, ver um show na Broadway, pois sou louca por musicais (na minha próxima vida serei artista da Broadway, hahahaha).
Ainda sobre as compras, se você tem objetivos específicos, compre uns dias antes da viagem pela internet e mande entregar no hotel. Assim você não desperdiça seu tempo fazendo compras e carregando sacolas e curte mais a cidade.

Qual é a área da cidade que você mais gosta e por quê?
Eu amo East Village e Soho. Lá me sinto mais parte da cidade, ando pelas ruas me imaginando moradora e pensando em como seria minha rotina se eu vivesse lá.
Mas também amo o Central Park. É um parque cheio de vida e animado, fora que para mim é a NY do cinema. Sempre tem alguma programação interessante, quando estive lá no verão tinha uma peça do Shakespeare ao ar livre, achei isso o máximo. Não é uma delícia um parque assim?

Outlet é out ou ainda é in? Qual?
Outlet não é muito minha praia e pra não dizer que não fui em nenhum, visitei o Century21. Estava passeando pela Wall Street e World Trade Center então aproveitei e subi para conhecer, ou seja, nem estava planejado na minha visita.

Pro meu gosto pessoal, 90% das coisas que tem lá não agradam. Tem muita coisa feia e achei até roupa com chiclete grudado. Os outros 10% valem a pena. Acho que para os homens é mais interessante, tem muitas camisas de marcas boas por preços atrativos (mas não é uma super pechincha). Para quem precisa comprar malas adicionais também é um bom lugar.

Que conselho você daria para um brasileiro que ainda não conhece New York (se é que existe algum!).
Depois de tantos trips dando conselhos, me sinto até repetitiva.
Mas NY é uma cidade cheia de surpresas que está mudando sempre, por isso deixe espaço livre no seu roteiro para se perder pela cidade. Você vai ficar com vontade de voltar, não tenha dúvidas. E se você está voltando, não repita muitos programas, vá conhecer o que tem de novo. Leve calçados confortáveis, pois se anda muito por lá.  Prepare o bolso, você vai gastar mais do que estava esperando. E por favor, separe no seu budget de viagens a verba de gorjetas, combinado?

Ao voltar pra casa, o que você sente que está levando de NY? Além do excesso de peso, é claro.
De qual peso você está falando, o da mala ou o corporal?
Eu levo a vontade de um dia morar em NY! Nem que seja por 6 meses. Um dia, quem sabe.

Compartilhar com:
Comentários

Deixe um Comentário