A New York da Anna Bárbara.

Pro JFK você voou. E de lá pro hotel, como é que você vai: taxi, limo, shuttle ou metrô?
Geralmente ia para o hotel de shuttle (esse ou esse). Saía do desembarque, procurava o Ground Transportation e agendava ali na hora o serviço de van. Da última vez, resolvi comparar o preço do táxi e do shuttle e vi que, indo com duas ou mais pessoas, o valor do táxi compensava. Ao invés de pagar U$19 por pessoa no Super Shuttle, pagamos U$50 no táxi (valor do pedágio já incluído, mas sem a gorjeta).
Agendei o táxi pela empresa Carmel Limo e procedi de acordo com nas instruções da reserva. Peguei as malas, liguei para o telefone indicado e, em menos de cinco minutos, o motorista já estava lá para nos buscar.

OK, você chegou ao hotel, desfez as malas, e já está na rua: qual é a primeira coisa que você faz?
Caminhar pelas ruas de Nova York para entrar no clima da cidade. Ir a um museu também é uma ótima opção…
Tenho, contudo, que confessar que da última vez a primeira coisa que fiz foi ir direito para a B&H, para garantir uma nova câmera e boas fotos da cidade.

Deu fome. Você entra em qualquer lugar ou tem um ou mais restaurantes favoritos?
Sempre levo anotada a lista de restaurantes que quero conhecer. Gosto de ler blogs de viagens e fazer uma programação do lugares que quero visitar, para não cair nas armadilhas pega turista. Também sempre faço reservas, para não correr o risco de não conseguir uma mesa.
Adorei conhecer, por exemplo, o Eataly, um mercado gourmet, que também conta com restaurantes, comandado pelo Chef Mario Batali. Tinha qualquer produto italiano que você imaginasse e a tábua de salumi e formaggi do La Piazza era espetacular (a excelente dica foi da Marcie. Ficam aqui os créditos…).
Também sou louca pelos cupcakes da Magnolia Bakery, em especial o red velvet, e pelas noisettes do Balthazar, uma deliciosa tortinha de massa de amêndoas com frutas vermelhas, vendidas no Balthazar Bakery, que fica bem ao lado do restaurante.
Os cookies do Milk &Cookies no Greenwich Village são outra tentação. O dark chocolate toffee cookie é o máximo!
Também recomendo o original burger do 5 Napking Burger e todos os cachorros quentes de rua.

Além do roteiro de compras, de que outras maneiras você vive a cidade? Broadway, museus, passeios, cinemas?
Adoro ir aos museus!! O Metropolitan, o Museu de História Natural e o MOMA são os meus preferidos!
Também adoro caminhar (ou pedalar) pelo Central Park e apreciar a vista do Brooklyn Bridge Park. Outra vista do skyline de Manhattan que gosto muito é a do East River State Park, também no Brooklyn. De lá é possível contemplar toda a beleza do Empire State.
As peças de teatro são outra diversão. Gosto de assistir a pelo menos uma peça Broadway ou Off-Broadway. A última que vi foi Avenue Q, um divertido musical, envolvendo atores e fantoches, que conta a história de um rapaz que acabou de se formar e, por falta de dinheiro, não conseguiu morar na Avenue A. Seu destino foi a longínqua na Avenue Q. Temas como racismo, homossexualismo e pornografia são tratados na peça de uma forma leve e engraçada.
Outros programas divertidos são assistir a um jogo de basquete do New York Knicks no Madison Square Garden e fazer os passeios de barcos da Circle Line .

Qual é a área da cidade que você mais gosta e por quê?
Soho, East Village, West Village e Meatpacking District são os meus “queridinhos”.
As ruas residenciais são fascinantes e o ar descolado das pessoas que ali transitam é único. E, por ter menos turistas, acho os lugares mais autênticos.

Outlet é out ou ainda é in? Qual?
Para mim, outlet é sempre in. Afinal de contas, levar para casa uma pechincha é sempre interessante.
Mas é bom lembrar que uma ida a um outlet demanda tempo. E quando o tempo é curto prefiro as barganhas mais próximas. A Century 21 e a Filene’s Basement são excelentes opções.

Que conselho você daria para um brasileiro que ainda não conhece New York (se é que existe algum!).
Faça uma programação inicial. Consulte blogs de viagem, acesse os sites dos museus e restaurantes que te interessem e vá munido de informações para não correr o risco de ficar tão impressionado com a cidade e acabar se sentido perdido.
Mas também não deixe de se surpreender com cidade. Afinal, ela realmente tem vida e muda continuamente.

Ao voltar pra casa, o que você sente que está levando de NY? Além do excesso de peso, é claro.
Muita saudade e vontade de voltar para Nova York outra vez!!

Compartilhar com:
Comentários

Deixe um Comentário